Marca Maxmeio

Notícias

Os bancários do RN decidiram em assembleia na noite desta segunda-feira, 20, aprovar o indicativo de greve para a próxima sexta, 24 de agosto. A data não é confirmada pois pode ser alterada após a negociação que ocorre amanhã (21) entre a Fenaban e a Contraf CUT.

A data-base da categoria é 1º de setembro, e este ano está sujeita a nova Legislação Trabalhista que diz que após o término da validade do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), que no caso será em 31 de agosto, a categoria perde todos os direitos adquiridos. Por isso a mobilização da categoria teve que ser antecipada. A pauta de reivindicações foi entregue em 13 de junho e desde então a Fenaban marca reuniões infrutíferas com pouca ou nenhuma proposta.

Diante do lucro exorbitante de mais de R$ 76 bilhões obtido pelos bancos somente em 2017 (Itaú, Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica e Santander) os bancários reivindicam ainda, dos banqueiros e do Governo:

– Reajuste de 22%; recomposição das perdas salariais acumuladas; isonomia; PLR linear; a defesa dos bancos públicos; mais contratações; plano de saúde com preço justo e rede conveniada satisfatória; fim do assédio moral; fim das metas; estabilidade no emprego; fim das demissões imotivadas; segurança nas agências e nos postos de atendimento; revogação da Reforma Trabalhista e a continuidade da luta contra a Reforma da Previdência.

A greve é a última instância da luta de classes entre trabalhadores e patrões, no entanto se faz necessária em momentos de intransigência como o que vivem os bancários atualmente. Apesar de terem batido recordes de lucratividade em 2017, os banqueiros oferecem apenas a reposição da inflação (o INPC que sequer foi divulgado até o momento).

 


Ana Paula Costa (assessoria de imprensa)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Btn Posts Anteriores