Marca Maxmeio

Notícias

O novo pleito será realizado no dia 7 de novembro de 2021

Na sessão plenária desta terça-feira (14), o Pleno do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte (TRE-RN) definiu o dia 7 de novembro de 2021 como data para realização da eleição suplementar para prefeito no município de Guamaré. O resultado do pleito de 2020 estava sub judice, pois o TRE-RN havia indeferido o registro de candidatura do candidato vencedor, Hélio Willamy Miranda da Fonseca.

O Tribunal Superior Eleitoral julgou recurso de Hélio Willamy e, por unanimidade, manteve a decisão do Regional potiguar. Dessa forma, coube ao TRE-RN determinar a data do novo pleito, que será regulamentado por meio de resolução.

Nessa segunda-feira (13), o presidente do TRE-RN, desembargador Gilson Barbosa, reuniu-se com a juíza da 30ª Zona Eleitoral, Cristiany Maria de Vasconcelos Batista, responsável pela condução dos trabalhos da eleição. “O Tribunal está empenhado para dar todo apoio à magistrada para que façamos uma eleição transparente, séria e nos ditames da Lei”, destacou o desembargador Gilson Barbosa.

Projeto prevê instalação de 207 torres no mar entre Pedra Grande e São Bento do Norte

O Rio Grande do Norte caminha para ser o primeiro estado do país a ter produção de energia eólica offshore (no mar). Para isso, a governadora Fátima Bezerra assinou nesta segunda-feira (13) memorando de entendimento entre o Governo do Estado e a Internacional Energias Renováveis (IER) a fim de promover desenvolvimento e implantação de projetos de geração de energia eólica offshore e produção de hidrogênio verde.

A IER é uma empresa potiguar de consultoria e projetos em energias renováveis com mais de 2GW de projetos desenvolvidos na região Nordeste. Em 2020, iniciou pesquisa relativa a projetos de energia eólica offshore, associado à geração de hidrogênio verde, no litoral setentrional do RN. O Complexo Eólico Offshore Ventos Potiguar prevê instalação de cinco usinas com capacidade de 2,7 gigawatts, 207 geradores, no mar localizado entre os municípios de Pedra Grande e São Bento do Norte, distante 8 quilômetros da costa.

“Desde o início do nosso governo, através da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico (Sedec), definimos um planejamento energético para o RN. Isto vem apresentando resultados altamente positivos ao longo dos anos. Recentemente, o RN foi o estado que mais captou novos investimentos no leilão para geração de energias renováveis, agora estamos dando passos firmes para consolidar o primeiro parque de produção de energia no mar do Brasil. Fico feliz por que é resultado de muito trabalho, compromisso, seriedade de uma equipe competente e comprometida com o Estado e com o seu povo”, afirmou Fátima Bezerra, para acrescentar: “o RN está na vanguarda do processo de geração de energia no país. Certamente, isso vai contribuir para ativar diversas cadeias produtivas e gerar trabalho, emprego e renda.”

A capacidade do projeto representa quase a metade dos atuais 5,7 gigawatts que o estado produz hoje. “É quase a metade de tudo que é gerado atualmente em energias renováveis e vai acrescentar a produção de hidrogênio verde. O trabalho do Governo do Estado transforma a realidade”, afirmou o secretário da Sedec, Jaime Calado. “O planejamento energético feito no início atual gestão vem se consolidando. O Estado também contrata estudos para viabilizar empreendimentos atraindo projetos e investimentos”, destacou Hugo Fonseca, coordenador de desenvolvimento energético da Sedec.

O diretor executivo do IER aproveitou para que o projeto está com trâmites avançados junto ao Ibama, Secretaria do Patrimônio da União (SPU) e vai iniciar no Idema. Gibran Dantas reafirmou o discurso da governadora Fátima Bezerra – “o RN poderá ser pioneiro no Brasil, ser o primeiro estado a ter usina eólica offshore no país”. Darlan Santos, diretor técnico do IER, ressaltou que o RN já é destaque no Brasil pela produção de energia renovável em terra. “Agora vai ser no mar. Este novo projeto tem estimativa de investimento para implantação de R$ 18 bilhões com geração de 5 mil empregos na execução, instalação de 207 torres geradoras em 5 usinas.”

No ato de assinatura do memorando, a governadora esteve acompanhada também do secretário de Estado da Infraestrutura (SIN), Gustavo Coelho.

Eventos têm entrada gratuita, apresentações culturais e praça gastronômica

Nos dias 17 e 18 de setembro (sexta e sábado), o pavilhão Nísia Floresta do Centro de Convenções de Natal sedia a 7ª Feira de Municípios e Produtos Turísticos do RN – Femptur e o 12º Fórum de Turismo do RN. Seguindo rígido protocolo de biossegurança, o maior evento de turismo potiguar tem entrada e estacionamentos gratuitos, das 14h às 21h na sexta e, no sábado, com horário estendido das 12h às 22h, para apreciar o melhor do artesanato norte-riograndense, além de prestigiar as apresentações culturais e experimentar um cardápio típico variado na praça gastronômica.

Com mais de 60 stands, a Femptur é uma grande vitrine do Rio Grande do Norte. Entre passeios e viagens, artesanatos, cultura, fotografias, gastronomia, agricultura familiar e negócios, a Feira evidencia o que há de melhor em cada segmento.

Estão confirmados a participação dos municípios: Acari, Baía Formosa, Barra do Cunhaú, Carnaúba dos Dantas, Caiçara do Norte, Ceará Mirim, Cerro Corá, Currais Novos, Galinhos, Grossos, Guamaré, Ipanguaçú, Lagoa Nova, Lajes, Natal, Nísia Floresta, Monte das Gameleiras, Jucurutu, Parelhas, Parnamirim, Passa e Fica, Pedro Velho, Pipa (Tibau do Sul), Rio do Fogo, Santa Cruz, São Bento do Norte, São Gonçalo do Amarante, São José do Mipibu, São Miguel do Gostoso, Serra Caiada, Serra de São Bento, Sítio Novo, Tangará, Tibau, Touros, Vera Cruz, Araruna (PB) e Baraúna (PB).

Também estarão presentes os expositores: ABAV-RN, Canindé Soares Fotografia, Carla Belke Fotografia, Fecomércio-RN, InterTV Cabugi, Marazul Receptivo, Mix Internet, MSOM, PB Tur, SEBRAE-RN, SETUR-RN e EMPROTUR, Secretaria do Trabalho, da Habitação e da Assistência Social (SETHAS-RN), Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência Social (SEMTAS Natal), SEHRS Natal Grand Hotel, SindGuias RN, Startups SEBRAE e WhelTour.

Apresentações culturais

E uma grade de apresentações culturais idealizada especialmente para o público da Femptur e do Fórum, com artistas potiguares, atrações teatrais, musicais e folclóricas (Boi de Reis, Dança de Coco e Cordel), Mini Quadrilha Junina, e a novidade do ano: o Espaço do Autor Potiguar. Dentre os municípios que integram o Palco Cultural estão: Passa e Fica, Serra Caiada, São José do Mipibu, Touros, Lajes, Grossos, Pedro Velho, Canguaretama e São Miguel do Gostoso.

O palco é estrategicamente montado ao lado da área gastronômica (creperia, cafeteria, hamburgueria, restaurante de comidas típicas e bar) para proporcionar ao visitante a melhor experiência.

A Femptur e o Fórum de Turismo do RN têm organização de Antônio Roberto Rocha e Gustavo Porpino, da Argus Eventos; contam com o apoio do Governo do Estado do RN, Prefeitura de Natal, Sebrae-RN, Fecomércio-RN e Banco do Nordeste. Também dão suporte: DataShow Brasil, Serhs Natal Grand Hotel & Resort e a InterTV. E os presidentes das principais entidades de classe do Turismo que participam ativamente do evento: Abdon Gosson (ABIH-RN), Michelle Pereira (Abav-RN), Júnior Câmara (Sindetur-RN), George Gosson (Natal Convention) e Júnior Lima (SindGuias-RN).

Fórum de Turismo do RN

Em sua 12ª edição, o Fórum de Turismo traz temas atuais e importantes a serem debatidos sob novas perspectivas, dentre elas, sustentabilidade, integração regional, economia criativa, turismo de aventura e turismo cultural. O acesso é gratuito, mediante inscrição prévia ou credenciamento na hora. Durante o Fórum acontece também, a Solenidade de Abertura e a entrega do “Troféu Reconhecimento aos Destinos Segmentados do RN”.

Na sexta (17), às 14h30 “O novo cenário para o turismo de eventos” abre o painel de debates, com o professor da UFRN, Ricardo Lanzarini como mediador; e os debatedores: George Gosson (presidente do Natal Convention Bureau), Leandro Martins (diretor da DataShow Brasil) e Sylvia Serejo (diretora da Verbos Eventos).

Já as 17h30 o assunto é “Maior integração das capitais do Nordeste”, mediado por Antônio Roberto Rocha (Argus Eventos) e os debatedores: Fernando Fernandes (secretário de turismo de Natal-RN), Daniel Rodrigues (secretário de turismo de João Pessoa- PB) e Alexandre Pereira (secretário de turismo de Fortaleza-CE).

No sábado (18), às 14h30, painel sobre “A tendência ascendente para o turismo de aventura e natureza”, como palestrante, o apresentador do Rota InterTv, Klênyo Galvão; mediação Marília Gonçalves (consultora de turismo) e os debatedores: Ana Sanehara Muller (empresária do turismo no RN, PE e RJ), Ary Pacheco (guia de turismo em montanhismo e escalada) e Ricardo Câmara (coordenador da Trilha Caminhos das Ararunas).

Às 16h, “Destinos turísticos sustentáveis: possibilidade ou utopia?”,com Wilker Nóbrega, professor da UFRN; mediador Gustavo Porpino (Argus Eventos) e os debatedores: Janielle Linhares (secretária de turismo de São Miguel do Gostoso-RN), Saulo Leão (secretário de turismo de Galinhos-RN) e William Lass (diretor do Serhs Natal Grand Hotel).

Às 17h30, o “Momento Empreendedor do Turismo Potiguar” e,para encerrar a programação do Fórum, às 17h50, o painel “Turismo cultural: chegou a hora do RN?!”, com Crispiniano Neto (presidente da Fundação José Augusto), mediado por Tatiane Fernandes(engenheira de produção cultural), e os debatedores: Ana Maria Costa (secretária de turismo do RN), Yves Guerra (analista técnico do Sebrae-RN) e George Costa (empresário e coordenador de turismo da Fecomércio). 

O Sistema Indústria, por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial no Rio Grande do Norte (SENAI-RN) e a indústria de veículos Selvagem – pioneira do setor na região Nordeste e principal origem da frota de buggys que circula no RN e em outros destinos internacionalmente conhecidos, como Fernando de Noronha (PE) – assinaram nesta quinta-feira (09) um acordo de cooperação para desenvolvimento do primeiro buggy elétrico do estado.  

Segundo as instituições envolvidas, o projeto é idealizado desde 2020 e a expectativa é de ganhos ambientais, tecnológicos e econômicos em um dos passeios turísticos mais tradicionais do litoral brasileiro.  

Dentro da fábrica potiguar em operação há 45 anos, onde nascerá o primeiro carro elétrico do RN, a estrutura do veículo está pronta, à espera da inovação: o motor e as baterias que irão alimentá-lo.  

Os equipamentos para início do desenvolvimento já começaram a ser buscados junto a fabricantes e um treinamento específico com especialistas da Alemanha será realizado pela equipe de profissionais que vai colocar a mão na massa. 

Questões como quando o projeto será concluído, o tempo necessário de testes, o início da produção comercial e a partir de quando o buggy estará nas ruas, ou nas dunas – assim como o preço que terá no mercado – só deverão ser respondidas no decorrer dos trabalhos. A demanda potencial, entretanto, já existe e dá sinais à indústria.  

“Todos os dias alguém nos procura em busca desse buggy”, diz o fundador da Selvagem, Marcos Neves, observando que a expectativa é – a partir da inovação – atender ao “mercado do futuro” que se abre no país, em áreas que a fábrica já abastece e em outras onde o interesse poderá surgir.  

A procura se manifesta atualmente, segundo ele, dentro do Rio Grande do Norte e também chega de Fernando de Noronha, onde decreto proíbe a entrada de veículos ‘tradicionais’, com motor a combustão, a partir de 2022, e a circulação dos que já existem a partir de 2030.  

Segundo informações oficiais da Administração de Fernando de Noronha repassadas ao SENAI-RN, “não existem buggys elétricos na ilha” hoje, mas há outros 50 carros elétricos em circulação. Eles representam 3,57% da frota. 

Projeto 

O desenvolvimento do primeiro buggy elétrico na indústria do Rio Grande do Norte é parte do Projeto Verena, que o SENAI-RN e o Centro de Tecnologias do Gás e Energias Renováveis (CTGAS-ER), do SENAI, executam desde 2018 no Brasil com a Câmara de Indústria e Comércio da cidade de Trier (EIC Trier), da Alemanha. A iniciativa também conta com a colaboração do Instituto SENAI de Inovação em Energias Renováveis e da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).  

“É um projeto que é um marco para a indústria, para o meio ambiente e para o setor de turismo”, diz o diretor do CTGAS-ER e do ISI-ER, Rodrigo Mello. “O uso típico do buggy é em áreas costeiras, em ambientes caracteristicamente limpos, e trazer um equipamento com zero emissões de gases do efeito estufa e com zero ruído de motor, como será este, é sem dúvida um ganho”, complementa.  

Para o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte (FIERN), Amaro Sales, o buggy elétrico será uma importante contribuição em consonância com o desenvolvimento tecnológico e a inovação exigidos no momento atual. “O Sistema S atua para desenvolver soluções inteligentes e sustentáveis que atendam às necessidades da indústria a partir da nossa realidade local, mas de acordo com as tendências internacionais. O buggy elétrico é um projeto de destaque nesse contexto”, afirma.  

O SENAI, por meio de CTGAS-ER e do ISI-ER, ficará responsável pelo desenvolvimento do uso da tecnologia e a integração dos componentes elétricos e mecânicos do veículo. À UFRN caberá a parte de “inteligência do buggy”, o que inclui toda a parte de controle, acionamento de motor, verificação da vida útil da bateria, análise do ambiente e detecção de falhas.  

Já a EIC Trier vai fornecer a tecnologia e promover o treinamento necessário para a realização do projeto. Um curso de mecatrônica automotiva de 180 horas será ministrado para a equipe envolvida, por especialistas da Alemanha. O país é o maior produtor europeu de veículos elétricos. 

“Para nós da EIC Trier é uma enorme satisfação contribuir para a concepção e construção do primeiro buggy elétrico do Nordeste do Brasil e a gente fica ainda mais feliz por esse buggy ter surgido no Rio Grande do Norte, que normalmente é um estado que todos conhecem pelo turismo mas também é um lugar onde se concepciona e constrói tecnologia de ponta para um Brasil melhor e para um mundo cada vez mais sustentável”, diz o consultor alemão Andreas Dohle, da EIC Trier. 

O desenvolvimento do buggy faz parte de um número maior de ações conjuntas na área de eletromobilidade. Outra ação será a criação de um curso inédito com o CTGAS-ER para especialização de trabalhadores na conversão de carros elétricos no país. A estrutura para o curso está sendo preparada e a previsão de início é 2022. 

O buggy elétrico  

O buggy elétrico planejado dentro do projeto é um veículo que usa eletricidade para se locomover, por meio de baterias que alimentam o motor.  

A autonomia do modelo, ou seja, a distância que conseguirá percorrer com baterias cheias, antes de precisar de recarga, é estimada em 200 Km, diz o professor de automação e eletrotécnica do CTGAS-ER, e coordenador do projeto pelo SENAI-RN, Davinson Rangel.  

Seria suficiente, por exemplo, para dois passeios ida e volta entre as praias de Ponta Negra e Muriú, uma das principais rotas turísticas no litoral potiguar.  

Como a utilização do veículo em dunas exigiria mais das baterias e do motor do que o tráfego somente em asfalto e estradas de terra, essa autonomia, entretanto, pode variar. 

“Iremos desenvolver um produto inicialmente 100% potiguar que certamente será referência para todos que deste veículo se utilizam, propiciando uma fonte de energia limpa para um produto que agrega ao turismo a preocupação com o meio ambiente”, diz o diretor regional do SENAI-RN, Emerson da Cunha Batista. “O buggy passou a fazer parte de nosso convívio há anos e neste momento em que a evolução das tecnologias é cada vez mais necessária nos sentimos honrados em poder participar desse projeto piloto”, acrescenta. 

O chefe do Departamento de Engenharia Elétrica da UFRN e coordenador dos trabalhos da Universidade no projeto, Diomadson Belfort, reforça que o turismo com buggys pode ficar mais limpo e econômico em decorrência de soluções que serão desenvolvidas no projeto. Dados levantados pela universidade apontam que 715 bugueiros estão credenciados pela Secretaria de Turismo do estado atuando nos municípios pólos de Baía Formosa, Tibau do Sul, Natal e Extremoz. Entre os custos operacionais da atividade estão gastos com combustível, que giram em torno de R$ 80 a R$ 100 por passeio – e poderão ficar para trás a partir do veículo elétrico. 

Sobre o SENAI 

O SENAI é o maior complexo de educação profissional da América Latina e detentor da maior rede privada de Institutos de Tecnologia e Inovação para a indústria nessa região do mundo. No Rio Grande do Norte, faz parte do Sistema FIERN e engloba cinco Centros de Educação e Tecnologias com cursos profissionalizantes: CET (Voltado ao setor da construção civil); CETCM (Voltado às indústrias de alimentos, vestuário e moda); CETIB (cursos diversos para a indústria); CETAB (vestuário, construção e outros), e CTGAS-ER, principal referência do SENAI no Brasil para educação e serviços com foco nas indústrias de energias renováveis e do gás. A atuação no RN se dá ainda por meio do Instituto SENAI de Inovação em Energias Renováveis (ISI-ER), na capital, Natal, e do Instituto SENAI de Tecnologias em Petróleo e Gás (IST-PG), em Mossoró.  

Sobre a Selvagem 

A Selvagem é a única indústria de veículos do Rio Grande do Norte e primeira do setor instalada na região Nordeste. A empresa foi fundada em 1976, tem sede em Parnamirim/RN e capacidade de produção de 200 veículos por ano. O Rio Grande do Norte é o principal mercado atendido, com uma fatia de 70%, seguido por Fernando de Noronha. A companhia ainda não estima a potencial participação que os buggys elétricos assumirão na linha de produção, mas espera que eles representem uma parte importante do negócio. 

Projeto Verena 

O Projeto Verena é fruto de um Termo de Cooperação Técnica firmado em dezembro de 2018 entre o SENAI-RN, o CTGAS-ER e a EIC Trier. O projeto resultou, por exemplo, no desenvolvimento de ações de educação profissional, com transferência de tecnologias alemães para capacitação da equipe do CTGAS na área de segurança do trabalho para a indústria de energia eólica, e na criação de um programa de formação e certificação de instaladores de painéis fotovoltaicos no estado. Na área de energia eólica, outro fruto foi a certificação GWO/BST do CTGAS, habilitando o Centro para oferecer treinamentos básicos de segurança reconhecidos pela Global Wind Organisation, organização com presença global que desenvolve padrões de segurança e treinamento para o trabalho em turbinas eólicas onshore (em terra) e offshore (no mar). O Projeto, que se encerraria em outubro deste ano, será prorrogado até dezembro e poderá ser sucedido por outras iniciativas conjuntas de capacitação de pessoal, prestação de serviços de assessoria e consultorias.  

O maior evento de turismo potiguar abre as portas nos dias 17 e 18 de setembro, no pavilhão Nísia Floresta do Centro de Convenções e convida você a fazer parte da Solenidade de Abertura que acontece às 15h30, do dia 17 (sexta-feira).

Seguindo rígido protocolo de biossegurança, a Feira de Municípios e Produtos Turísticos do RNFemptur, em sua 7ª ediçãoe o 12º Fórum de Turismo do RN ocorre de forma paralela, das 14h às 21h, com entrada e estacionamento gratuitos.

A Femptur e o Fórum de Turismo do RN contam com o apoio do Governo do Estado do RN, Prefeitura de Natal, Sebrae-RN, Fecomércio-RN e Banco do Nordeste. Também dão suporte ao evento a DataShow Brasil, Serhs Natal Grand Hotel & Resort e a InterTV. Os presidentes das principais entidades de classe do Turismo participam ativamente do evento, como Abdon Gosson (ABIH-RN), Michelle Pereira (Abav-RN), Júnior Câmara (Sindetur-RN), George Gosson (Natal Convention) e Júnior Lima (SindGuias-RN).

A Casa Durval Paiva busca prestar o melhor atendimento às crianças e adolescentes acolhidos, se mantendo através da doação de itens, para a nutrição e acolhimento deles, durante o tratamento contra o câncer e doenças hematológicas crônicas, bem como, seus familiares. No momento, a CDP está com a necessidade de doação de toalhas e lençóis brancos.

Devido às restrições para controle do Coronavírus, as doações deverão ser entregues na recepção da Casa Durval Paiva, que fica localizada na Rua Professor Clementino, 234 – Barro Vermelho. Contamos com a sua ajuda para continuar esse trabalho de amor.

{CAPTION}

{CAPTION}

Enviado do meu iPhone

Praça Cívica

O Rio Grande do Norte encerrou a sua participação nos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020. Ao todo, foram conquistados um ouro, três pratas e dois bronzes. A nossa melhor campanha estadual continua sendo nos Jogos do Rio, em 2016, quando conquistou nove medalhas para o Brasil.

Destaque para Jardênia Felix, que, com 17 anos e na sua primeira participação em Paralimpíada, conquistou uma medalha de bronze. Grande fenômeno da competição, a velocista mais jovem do atletismo brasileiro nos Jogos Paralímpicos de Tóquio registrou o tempo de 57s43, a melhor marca da carreira da brasileira nos 400m (classe T20).

Além de Jardênia, nomes já consagrados, como as multimedalhistas Joana Neves, da natação, e Thalita Simplício, do atletismo, não decepcionaram e trouxeram medalhas: uma de bronze e duas de prata, respectivamente.

Já Cecilia Araújo ficou na segunda colocação nos 50m livre (classe S8). É a primeira medalha da nadadora em uma Paralimpíada. A medalha de ouro potiguar veio com Romário Marques, capitão da seleção masculina de Goalball. O atleta, inclusive, marcou um gol na vitória brasileira em cima da China por 7 a 2, na finalíssima que trouxe a medalha inédita para o Brasil.

Fonte:
https://www.novonoticias.com.br/paratletas-potiguares-conquistam-seis-medalhas-nas-paralimpiadas-de-toquio/